Estou na área de desenvolvimento de software há muito tempo e durante esse período todo conheci e convivi com os mais variados tipos de desenvolvedores. Alguns excelentes, outros muito ruins e outro dia me peguei pensando sobre o que faz com que um programador seja bom.

Coloquei abaixo as características pessoais que considero essenciais e que identifiquei na maioria dos bons desenvolvedores com que trabalhei.

1. Gostar de resolver problemas

A profissão de programador é uma atividade essencialmente intelectual e depende do uso do raciocínio lógico para resolver problemas dos mais variados tipos. Algumas vezes o desenvolvedor tem que resolver problemas complexos a fim de atender a algum requisito do usuário, outras vezes os problemas são algumas limitações técnicas ou operacionais impostas pela própria tecnologia (infraestrutura, linguagem de programação e etc) que está sendo usada.

Todos os bons desenvolvedores que conheci não recusam um bom desafio – na verdade isso os estimula e empolga. Profissionais que gostam de tarefas repetitivas e operacionais certamente se frustram rapidamente com o desenvolvimento de software que é muito dinâmico (mesmo que sempre trabalhe com os mesmos tipos de sistemas e com as mesmas tecnologias certamente surgirão novos desafios por conta de algum requisito ou demanda do usuário).

2. Curiosidade e gosto pelo aprendizado

A tecnologia evolui muito rapidamente e praticamente todos os dias surgem novidades no mundo da programação, portanto o desenvolvedor deve gostar de aprender. Diferentemente de outras profissões os profissionais de TI são muito mais exigidos quanto a estarem atualizados tecnologicamente e precisam sempre estar estudando e pesquisando sobre paradigmas de programação, padrões de projeto, bancos de dados e etc.

Mesmo quando não existem novidades tecnológicas, sempre há algo a ser aprendido, sempre surgem maneiras melhores para se fazer as mesmas coisas. Costumo dizer que dificilmente passo um dia de trabalho sem ter aprendido novo.

3. Conhecimento da área de atuação

É muito comum o programador trabalhar muito tempo em uma mesma área de atuação (banco, seguro, comércio, indústria, meios de pagamento e etc) e o conhecimento adquirido ao longo dos anos ajuda muito na hora encontrar soluções para os problemas devido ao fato de conhecerem bem as regras de negócios daquele setor.

Trabalhei com programadores que eram verdadeiras enciclopédias e, não raro tiravam dúvidas dos usuários sobre a operação da área para a qual prestavam serviço.

4. Autorrealização

Qualquer profissional, de qualquer área, deve gostar do que faz e pessoas que escolhem a profissão com base no salário ou no status dificilmente serão bons profissionais. O bom desenvolvedor se sente bem com sua profissão,  trabalha com prazer e sente orgulho do que faz.

A autorrealização é facilmente detectada quando você vê aquele brilho no olho do profissional que está contando sobre sua profissão ou sobre algum projeto importante em que trabalhou. É fácil perceber pelo tom de voz e pela empolgação quais são os profissionais que realmente amam o que fazem e esse é o maior segredo: amar o que faz.

Quem não gosta da profissão dificilmente será um bom profissional porque não sentirá prazer em resolver os problemas, estudar ou atender seus clientes/usuários.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *